Onde estou?


Pergunto não no sentido físico, mas na trajetória de minha vida. Onde estou? Quais são meus objetivos daqui em diante? Dos caminhos que poderão surgir, qual seguir? Na linha da existência, vejo apenas reticências…

Não é crise existencial. É apenas a dúvida, não sei por onde começar. E qual concurso prestar? Não é medo, é conceito. Por enquanto pré-estabelecido, que de alguma forma vem causando orgulho ferido, da estabilidade até aqui alcançada.

AUTO-AJUDA

Onde estou? O que devo fazer? Posso demorar a responder!

Prefiro, no momento, nada fazer. Não por ser o mecanismo mais fácil. Mas por compreender que agora não é hora de nenhuma decisão. Apenas me preparar, para que no futuro não haja arrependimentos. Tão óbvio, tão auto-ajuda.

Thiago Rocioli